Regulamento 1896/20062018-04-27T15:22:04+00:00

REGULAMENTO 1896/2006

Procedimento europeu de injunção de pagamento

Este regulamento cria um procedimento europeu de injunção de pagamento que visa simplificar, acelerar e reduzir os custos dos litígios transfronteiriços relativos aos créditos pecuniários incontestados em matéria civil e comercial.

Permite, além disso, a livre circulação das injunções de pagamento europeias que são reconhecidas e executadas em todos os países da UE, com exceção da Dinamarca, sem necessidade de uma declaração que constate a sua força executória.

Âmbito de aplicação

O procedimento europeu de injunção de pagamento aplica-se a toda a matéria civil e comercial em casos em que pelo menos uma das partes é residente num país da UE distinto do país onde é efetuado o pedido de injunção.

O procedimento não se aplica:

  • a matéria fiscal, aduaneira ou administrativa;
  • à responsabilidade do Estado por atos e omissões no exercício do poder público;
  • aos regimes de bens no casamento;
  • às falências e às concordatas em matéria de falência de sociedades ou outras pessoas coletivas e aos acordos judiciais;
  • à segurança social;
  • a créditos resultantes de obrigações não contratuais, a não ser que as partes tenham chegado a acordo sobre esses créditos ou tenha havido um reconhecimento da dívida ou esses créditos se relacionem com dívidas líquidas decorrentes da compropriedade de bens.

Processo de aplicação

  • O regulamento inclui um formulário normalizado para a apresentação de um requerimento de injunção de pagamento europeia.
  • O requerimento deve dizer respeito a um montante específico devido no momento em que o pedido é apresentado.
  • A competência judiciária é determinada em conformidade com as regras previstas no Regulamento (CE) n.o1215/2012.
  • O tribunal a que é apresentado o requerimento analisa se foram preenchidas as várias condições (o caráter transfronteiriço do caso em matéria civil e comercial, a competência do tribunal, etc.) o mais brevemente possível, bem como se o requerimento parece ser fundamentado.
  • O tribunal deve informar o requerente do motivo para a recusa do requerimento. Nesse caso, não existe direito de recurso, mas o requerente pode apresentar um novo requerimento de injunção de pagamento europeia ou utilizar um outro procedimento que esteja disponível ao abrigo do direito de um país da UE.

Emissão de uma injunção de pagamento europeia

  • Se as condições estiverem preenchidas, o tribunal emite a injunção de pagamento europeia no prazo mais curto possível e, regra geral, no prazo de 30 dias a contar da apresentação do requerimento.
  • A injunção de pagamento europeia é emitida unicamente com base nas informações prestadas pelo requerente, caso o requerimento pareça ser fundamentado.
  • A menos que o requerido apresente uma declaração de oposição junto do tribunal que emitiu a injunção, esta é automaticamente reconhecida e executada noutros países da UE, sem qualquer possibilidade de oposição ao seu reconhecimento.
  • Os processos de execução são regidos pelo direito nacional do país da UE onde a execução da injunção de pagamento europeia é requerida.

Citação ou notificação de uma injunção de pagamento europeia a um requerido

A citação ou notificação de uma injunção de pagamento europeia a um requerido é efetuada em conformidade com o direito nacional do país onde ocorre a citação ou notificação. Os métodos possíveis de citação ou notificação de uma injunção de pagamento europeia, com ou sem prova de receção por parte do requerido, estão previstos no regulamento.

Dedução de oposição à injunção de pagamento europeia

O requerido pode apresentar uma declaração de oposição junto do tribunal que emitiu a injunção de pagamento. Esta declaração deve ser enviada no prazo de 30 dias a contar da citação ou notificação da injunção.

Quando um requerido apresenta uma declaração de oposição, o processo civil comum continua nos tribunais competentes do país da UE em que a injunção foi emitida, a menos que o requerente não pretenda dar continuidade ao processo.

O requerido pode apresentar um pedido de reapreciação da injunção de pagamento europeia junto do tribunal competente após o termo do prazo de 30 dias para a apresentação de uma declaração de oposição, se:

  • a injunção de pagamento tiver sido citada ou notificada sem aviso de receção por parte do requerido e não tiver sido feita a tempo de permitir ao requerido preparar a sua defesa;
  • o requerido tenha sido impedido de contestar o crédito por motivo de força maior ou devido a circunstâncias excecionais;
  • a injunção de pagamento tenha sido emitida de forma claramente indevida.

Se o tribunal recusar o pedido do requerente, a injunção de pagamento europeia mantém-se válida. Se, por outro lado, o tribunal decidir que se justifica uma reapreciação, a injunção de pagamento europeia é declarada nula.

O regulamento entrou em vigor em 12 de dezembro de 2008.


Última atualização: 25.01.2016

Fonte: Eur-Lex

≡ Regulamento (CE) n.ª  1896/2006 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de Dezembro de 2006 , que cria um procedimento europeu de injunção de pagamento   html   pdf   Ver o Jornal Oficial

→ Versão consolidada: 14/07/2017 

http://www.redecivil.csm.org.pt/wp-content/uploads/2018/04/Regulamento_1896_2016_compressed.pdf

PORTUGAL – Informações

(Para obter informações pormenorizadas sobre o direito nacional de um Estado-Membro, clique na respetiva bandeira)

Artigo 29.°, n.° 1, alínea a) – Tribunais competentes

O tribunal competente para a emissão de uma injunção de pagamento europeia é o Juízo Central Cível do Tribunal da Comarca do Porto.

Artigo 29.°, n.° 1, alínea b) – Procedimento de reapreciação

O procedimento de reapreciação é o que consta do artigo 20.º do Regulamento e o tribunal competente para a reapreciação é o Juízo Central Cível do Tribunal da Comarca do Porto.

Artigo 29.°, n.° 1, alínea c) – Meios de comunicação

Os meios de comunicação aceites para efeitos do procedimento europeu de injunção de pagamento são os seguintes:

(i) Entrega na Secretaria Judicial, nos termos da alínea a) do n.º 7 do artigo 144.º do Código de Processo Civil;

(ii) Remessa pelo correio, sob registo, nos termos da alínea b) do n.º 7 do artigo 144.º do Código de Processo Civil;

(iii) Envio através de telecópia, nos termos da alínea c) do n.º 7 do artigo 144.º do Código de Processo Civil.

Artigo 29.°, n.° 1, alínea d) – Línguas aceites

A língua aceite é o português.


Última atualização: 22/01/2018

Bélgica

Bulgária

República Checa

Dinamarca

Alemanha

Estónia

Irlanda

Grécia

Espanha

França

Croácia

Itália

Chipre

Letónia

Lituânia

Luxemburgo

Hungria

Malta

Países Baixos

Áustria

Polónia

Portugal

Roménia

Eslovénia

Eslováquia

Finlândia

Suécia

Reino Unido

1003, 2016

Processo C‑94/14

Processo C‑94/14 Flight Refund Ltd contra Deutsche Lufthansa AG, [pedido de decisão prejudicial apresentado pela Kúria (Hungria)] «Reenvio prejudicial – Espaço de liberdade, segurança e justiça – Cooperação judiciária em matéria civil – Procedimento europeu de injunção de pagamento – Regulamento (CE) n.° 1896/2006 – Artigos 17.° e 20.° – Obrigações [...]

409, 2014

Processos apensos C‑119/13 e C‑120/13

Processos apensos C‑119/13 e C‑120/13 eco cosmetics GmbH & Co. KG (C‑119/13) contra Virginie Laetitia Barbara Dupuy, Raiffeisenbank St. Georgen reg. Gen. mbH (C‑120/13) contra Tetyana Bonchyk [pedidos de decisão prejudicial apresentados pelo Amtsgericht Wedding (Alemanha)] «Reenvio prejudicial – Cooperação judiciária em matéria civil – Regulamento (CE) n.° 1896/2006 – Procedimento europeu [...]

1306, 2013

Processo C‑144/12

Processo C‑144/12 Goldbet Sportwetten GmbH contra Massimo Sperindeo (pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Oberster Gerichtshof) «Regulamento (CE) n.° 1896/2006 ― Procedimento europeu de injunção de pagamento ― Artigos 6.° e 17.° ― Oposição à injunção de pagamento europeia sem contestação da competência do órgão jurisdicional do Estado‑Membro de origem ― Regulamento [...]

Load More Posts

Ao continuar com a navegação, assumimos que aceita a nossa política de cookies.

Mais informação

POLÍTICA DE COOKIES

Para que o nosso sítio possa funcionar correctamente, instalamos pontualmente no seu computador ou dispositivo móvel pequenos ficheiros denominados cookies.

O que são cookies?

Um cookie é um pequeno ficheiro de texto que um sítio Web instala no seu computador ou dispositivo móvel quando o visita. Estes ficheiros permitem que durante um certo período de tempo o sítio Web se «lembre» das suas acções e preferências, nomeadamente do nome de utilizador, da língua escolhida, do tamanho dos caracteres e de outras definições de visualização. É por isso que quando percorre as páginas de um sítio ou regressa a um sítio que já visitou não tem, em princípio, de voltar a indicar as suas preferências quando regressa a um sítio.

Como utilizamos os cookies?

Algumas páginas deste sítio Web utilizam cookies (testemunhos de conexão) para que as suas preferências de visualização, como a língua seleccionada e os dados necessários ao bom funcionamento dos formulários interactivos, não sejam esquecidas quando voltar a consultar o sítio. Trata-se sempre de cookies de origem e nenhum deles é guardado depois de terminada a sessão.

A activação dos cookies não é indispensável para que um sítio Web funcione, mas facilita a navegação. Os cookies podem ser apagados ou bloqueados, mas se o fizer poderá desactivar algumas funcionalidades do sítio.

As informações associadas aos cookies não são utilizadas para identificar pessoalmente os utilizadores e o Ponto de Contacto tem pleno controlo sobre os dados recolhidos. O Ponto de Contacto só usa cookies para os fins referidos.

Como controlar os cookies?

Algumas pessoas poderão considerar a ideia da criação de um local de armazenamento de informação no seu computador ou dispositivo móvel um pouco intrusiva, nomeadamente quando essa informação é reunida e utilizada por terceiros que desconhecem. Se preferir, poderá bloquear alguns ou todos os cookies, ou até suprimir cookies já instalados no seu terminal, mas deverá estar ciente de que se arrisca a perder certas funcionalidades.

Para controlar os cookies ou as preferências de cookies, terá de os alterar dentro das definições do seu navegador. Aqui está uma lista de guias sobre como fazer isso, nos navegadores mais usados:

Para mais informações, consulte AllAboutCookies.org.

Sugerimos, ainda, que consulte a nossa página Advertência Jurídica.

Fechar